FAÇA UMA NOVA PESQUISA

Resultados da busca de jurisprudência 17 julgados encontrados

O jurado recusado nos termos do art. 468, parágrafo único, do CPP, será excluído apenas da sessão de julgamento em que ocorreu a recusa, e não das demais porventura designadas em razão da separação do julgamento dos réus

Origem: STJ    

Nos moldes do art. 468, parágrafo único, do Código de Processo Penal, "o jurado recusado imotivadamente por qualquer das partes será excluído daquela sessão de instrução e julgamento, prosseguindo-se o sorteio para a composição do Conselho de Sentença com os jurados remanescentes". Sendo assim, o jurado recusado será excluído apenas da ...

Nomeação de advogado ad hoc para a sessão do Tribunal do júri e inexistência de nulidade sem a demonstração de prejuízo

Origem: STF    

Sem a demonstração do prejuízo, não se reconhece a nulidade de sessão do Tribunal do Júri na hipótese em que a Defensoria Pública protocolou requerimento de adiamento um dia antes do ato, tendo havido a designação de advogados ad hoc para exercer a defesa do réu na própria sessão de julgamento.
STF. 1ª Turma. HC 209621 AgR, Rel. ...

Não há ilegalidade na conduta da magistrada que convoca jurados suplentes para evitar estouro de urna

Origem: STJ - Informativo: 570    

O direito às recusas imotivadas previsto no art. 468 do CPP é garantia do próprio réu, de modo que cada acusado poderá recusar, sem necessidade de motivação, três pessoas sorteadas para compor o Conselho de Sentença.
Não há nulidade no ato de se convocar suplentes a fim de evitar a ocorrência de estouro de urna, possibilidade ...

A mera referência ao silêncio do réu, no Plenário do Júri, sem a exploração do tema, não é apta a ensejar o reconhecimento de nulidade

Origem: STJ    

A menção ao silêncio do acusado, em seu prejuízo, no Plenário do Tribunal do Júri, é procedimento vedado pelo art. 478, II, do Código de Processo Penal.
No entanto, a mera referência ao silêncio do acusado, sem a exploração do tema, não enseja a nulidade. Na hipótese, não é possível extrair dos elementos constantes dos autos se ...

A exibição em plenário do júri de filme sem relação com o crime (in casu, filme “O silêncio dos Inocentes”) não contraria o disposto no art. 479 do Código de Processo Penal

Origem: STJ    

A exibição em plenário de filme sem relação com o crime, em plenário, não contraria o disposto no art. 479 do Código de Processo Penal, que exige a relação direta com os fatos submetidos ao Conselho de Sentença.
Sem relação com os fatos e não demonstrando o Tribunal de origem prejuízo, que não pode ser inferido de vídeo ...

Exibição de slides e documentos não constantes dos autos na sessão plenária do Júri

Origem: STJ    

Não se verifica manifesta ilegalidade, pois o reconhecimento da nulidade, com a anulação da sentença absolutória, foi devidamente fundamentada no fato de que a defesa, utilizando-se de slides, apresentou na sessão do Júri documentos que não constavam dos autos ou com alterações, ambos de forma inédita. Apesar de terem sido admitidos, sob a ...

Não se pode falar em cerceamento de defesa, pelo fato de o Ministério Público ter desistido da oitiva em Plenário do menor, filho da vítima, e, em seguida, apresentado aos Jurados o vídeo da respectiva oitiva realizada na primeira fase da instrução

Origem: STJ    

Não se pode falar em cerceamento de defesa, pelo fato de o Ministério Público ter desistido da oitiva em Plenário do menor, filho da vítima, e, em seguida, apresentado aos Jurados o vídeo da respectiva oitiva realizada na primeira fase da instrução. A uma, porque o pedido de desistência realizado pelo Ministério Público dizia respeito a ...

A nulidade na inversão da quesitação, na qual a tese de absolvição deve prevalecer sobre a desclassificação, não contempla a hipótese em que há o reconhecimento inconteste, pela defesa, de que o réu é o autor do crime, mas objetiva somente a clemência dos jurados

Origem: STJ    

A nulidade na inversão da quesitação, consagrada pela jurisprudência desta Corte, na qual a tese de absolvição deve prevalecer sobre a desclassificação, compreende os casos em que se pleiteia ao reconhecimento de quaisquer causas que afastem a prática do delito (absolvição genérica), e não as hipóteses em que há o reconhecimento ...

A inovação de tese defensiva na tréplica viola o princípio do contraditório, mas isso não alcança o pleito defensivo da tese absolutória sem conteúdo, ou seja, aquela prevista obrigatoriamente em lei

Origem: STJ - Informativo: 546    

A inovação de conteúdo na tréplica viola o princípio do contraditório, pois, embora seja assegurada ao defensor a palavra por último - como expressão inexorável da ampla e plena defesa - tal faculdade, expressa no art. 477 do CPP, não pode implicar a possibilidade de inovação em momento que não mais permita ao titular da ação penal ...

A inovação de tese defensiva na tréplica viola o princípio do contraditório

Origem: STJ - Informativo: 546    

O STJ tem assentado que a inovação de tese defensiva na tréplica viola o princípio do contraditório.
O processo - seja civil ou penal - não pode coonestar comportamentos dos sujeitos processuais que impliquem falta de boa-fé e de lealdade com a parte adversária, mesmo em feitos de cariz popular quanto os da competência do Tribunal do ...

Recusas imotivadas e pluralidade de réus

Origem: STJ - Informativo: 570    

O direito de a defesa recusar imotivadamente até 3 jurados é garantido em relação a cada um dos réus, ainda que as recusas tenham sido realizadas por um só defensor (art. 469 do CPP).
De acordo com o art. 468, caput, do CPP, o direito a até 3 recusas imotivadas é da parte. Como cada réu é parte no processo, se houver mais de um réu, ...

Referência ou leitura de sentença prolatada em desfavor do corréu

Origem: STF    

Imagine que duas pessoas tenham praticado, em conjunto, homicídio. Uma delas foi julgada primeiro, tendo sido condenada. No julgamento do segundo réu, durante os debates no Plenário do Júri, o Promotor de Justiça leu a sentença que condenou o primeiro réu. Houve nulidade por violação do art. 478, I, do CPP?
NÃO. A leitura, pelo ...

O assistente de acusação tem direito à réplica mesmo que o MP não a exerça

Origem: STJ    

O assistente da acusação tem direito à réplica, ainda que o MP tenha anuído à tese de legítima defesa do réu e declinado do direito de replicar.
STJ. 5ª Turma. REsp 1343402-SP, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 21/8/2014 (Info 546).

Leitura de documento no júri e juntada com antecedência mínima de 3 dias

Origem: STJ    

É nulo o julgamento no Tribunal do Júri que tenha ensejado condenação quando a acusação tiver apresentado, durante os debates na sessão plenária, documento estranho aos autos que indicaria que uma testemunha havia sido ameaçada pelo réu, e a defesa tiver se insurgido contra essa atitude fazendo consignar o fato em ata.
STJ. 5ª Turma. ...

Testemunhas ouvidas no plenário do júri

Origem: STJ    

A sessão de julgamento do Tribunal do Júri só pode ser adiada caso a testemunha faltante tenha sido intimada com a cláusula de imprescindibilidade.
No caso concreto julgado pelo STJ, entretanto, o mandado de intimação da testemunha foi expedido para endereço diverso do indicado pela defesa, motivo pelo qual o oficial de justiça não a ...

Leitura da decisão de pronúncia durante os debates no júri e argumento de autoridade

Origem: STF e STJ    

O art. 478, I, do CPP afirma que, durante os debates, as partes não poderão, sob pena de nulidade, fazer referências à decisão de pronúncia ou às decisões posteriores que julgaram admissível a acusação como argumento de autoridade para beneficiar ou prejudicar o acusado. Isso não significa, contudo, que qualquer referência ou leitura da ...

Nulidade do júri pelo pouco tempo que o defensor teve para estudar o caso

Origem: STF    

O CPP determina que, se o advogado do acusado não comparecer à sessão designada para o Júri, sem apresentar escusa (justificativa) legítima, e se outro advogado não for constituído pelo réu, o juiz deverá designar nova data para o julgamento, intimando a Defensoria Pública para que participe do novo julgamento e faça a defesa do acusado caso ...

Blog Dizer o Direito

Confira as últimas postagens no nosso blog.

INFORMATIVO Comentado 1050 STF (completo e resumido)

Olá, amigas e amigos do Dizer o Direito, Já está disponível mais um INFORMATIVO COMENTADO. þBaixar versão COMPLETA:   þBaixar versão RESUMIDA:   Confira abaixo o índice. Bons...
Leia mais >

É possível que o Poder Judiciário conceda autorização para que a pessoa faça o cultivo de maconha com objetivos medicinais?

  Imagine a seguinte situação hipotética Marta apresenta quadro grave de Epilepsia Refratária. Essa condição a faz ter dezenas de crises epilépticas diárias, além de ter sensibilidade...
Leia mais >

INFORMATIVO Comentado 732 STJ (completo e resumido)

Olá, amigas e amigos do Dizer o Direito, Já está disponível mais um INFORMATIVO COMENTADO. þBaixar versão COMPLETA:   þBaixar versão RESUMIDA:   Confira abaixo o índice. Bons...
Leia mais >